quinta-feira, 28 de abril de 2011

o cotidiano desmonte da tv cultura

Para Medaglia, TV Cultura barateia custos com prejuízo à qualidade dos programas

'É triste. Estão desmontando a Cultura'





Júlio Medaglia, de 73 anos, foi surpreendido nesta terça-feira. Após 25 anos na TV Cultura, teve o contrato rescindido. O maestro apresentava o Prelúdio (programa de calouros de música erudita), e mantinha na Rádio Cultura o programa diário Temas e Variações, às 11 horas.
O último programa foi ao ar na própria terça, sobre o compositor Bernard Hermann. Ex-aluno de Pierre Boulez, Stockhausen e John Barbirolli, Medaglia foi fundador da Amazônia Filarmônica e dirigiu a Orquestra da Rádio de Baden-Baden e a Rádio Roquete Pinto.
O que lhe disseram ao demiti-lo?
Quem me chamou foi o João Sayad (presidente da TV Cultura). Disse muito obrigado, que fui importante, mas que ia colocar jovens para fazer o programa de rádio e a cobertura dos projetos de ópera e ia comprar um enlatado americano para a TV. Curioso porque, quando assumi, ele me chamou e ficamos quase duas horas conversando. Ele me perguntava coisas e tomava notas em um caderninho. Mas, ao me demitir, não demorou nem um minuto e meio. Tinha 24 anos de programa e fui demitido em um minuto e meio. Ele resolveu seguir as opiniões de outras pessoas. Sei quem é a pessoa que conduz esse desmonte, mas não vou dizer porque não tenho como provar.
O sr. era caro para a emissora?No começo, eu era funcionário. Fui demitido em 2005 e transformado em PJ (Pessoa Jurídica). A direção achou que eu não podia ser personalidade física e jurídica ao mesmo tempo. Passei a ganhar R$ 4 mil, mas sem direitos trabalhistas, sem plano de saúde. No fim, estava pagando para trabalhar. Mas continuei porque achei que valia a pena. Tivemos até 2 mil jovens no programa Prelúdio. Prestamos alguns serviços, e revelamos uma geração inteira de novos músicos. O programa trazia um público jovem para a casa, o Instituto Goethe dava uma bolsa na Alemanha para o vencedor, o Consulado Italiano dava outra para a Itália. E não custava nada para a emissora. A orquestra era paga por um convênio. Recebíamos toneladas de cartas. Estão desmontando a Rádio Cultura inteira, a TV Cultura também. É uma coisa triste. Estão sendo dirigidos por pessoas que não sabem dirigir, com uma programação sucateada, programas infantis que vão sendo repetidos.
Qual era o tamanho da sua equipe?Eu tinha um produtor, mas foi demitido há alguns meses. Era apenas o locutor. Depois que demitiram a Marta Fonterrada (produtora e radialista), eu mesmo estava pesquisando e produzindo tudo. Marta era uma pessoa muito bem preparada, uma profissional de grande gabarito. Desde então, eu definia algum tema, como por exemplo "Compositores que ficaram cegos", e aí reunia a obra de Bach, Haendel, e assim por diante, e montava o programa. Foi assim nos últimos seis anos, cada dia uma ideia diferente.(...)



fonte: jornal O Estado de São Paulo

quinta-feira, 14 de abril de 2011

os "van gogh" do masp





"Em meu trabalho, arrisco minha vida e nele metade da minha razão sucumbiu". V.Gogh em carta ao irmão Theo, após pintar "Passeio ao crepúsculo", a segunda imagem de cima para baixo.

domingo, 3 de abril de 2011

um corte na paisagem urbana

(retomando a publicação de artigos publicados na extinta revista Revés do Avesso apresento nesta postagem este artigo publicado no longínquo julho de 1997)


"Uma baleia". "Uma montanha, um mar e o sol se pondo". "Uma paisagem, não sei bem!". "Não estou entendendo". Estas frases foram impressões de algumas pessoas que passando pelas ruas, se defrontaram com um out-door diferente. Nele nada era anunciado, nada era vendido. Não havia marca ou nome de produto. O out-door em questão fez parte de um projeto único proposto por Leila Reinert, artista plástica catarinense radicada em São Paulo e realizado pela Publicidade KJimes.
Colocado em alguns pontos estratégicos de São Paulo, entre 15 e 31 de julho, a obra fotográfica de Reinert é um fragmento ampliado de uma outra obra da artista que também foi exposta, só que entre paredes do MAM (Museu de Arte Moderna) também em julho.
O objeto em questão é o corpo, mais propriamente pernas em uma banheira. Mas qual a importância de uma definição precisa de imagem? Há um corpo e ao mesmo tempo não há. Uma paisagem se apresenta mas não se identifica.
O out-door é a mídia do impacto imediato, a dos transeuntes apressados. Os textos, quando os há, são curtos e objetivos. As mensagens visuais são de rápida assimilação. Pretendem-se sedutores. Quando usam as formas do corpo humano, apresentam corpos esculpidos pelas academias de ginástica. Vendem a imagem que está na superfície. Não há interesse para o que está sob a pele. O que é obscuro não é a mensagem e portanto não vende. E é nesse espaço que a obra de Reinert apresenta o íntimo que deixa de ser privado. E, à medida que essa transposição se dá, o caráter de voyeur se dilui; quebra o valor psicológico da intimidade revelada, exposta e ampliada para o domínio público. O estranho enquanto linguagem.
Alguns são os elementos envolvidos. O corpo que se banha invade a cena. Toma lugar. Ocupa o espaço urbano. Se a intimidade enquanto rito toma como símbolo o sagrado, nesse caso ela se dessacraliza tomando parte do que é público. Numa medida ampliada, é o endo que se transfigura em exo. O corpo se aproxima da lente (ou vice-versa) numa quase colisão; a "subjetividade da lente", levando a junções: as pernas, a água, o ralo, a banheira, que formam outros seres ou uma paisagem. Exposto, transforma-se em intersubjetividades. Múltiplas e individuais sensações. Não há literalidades, mas metaforizações.

Reinert tem uma sensibilidade de difícil acesso: são portas semi-abertas; arestas que iluminam parcialmente. O caminho não é traçado. Há nessa artista, as descobertas por centímetros percorridos, e a (imprescindível) inquietação da obra já realizada. Seus objetos têm o caráter perturbador, que quase invariavelmente se contrapõem com o espaço ao qual está sendo exposto o trabalho.
Se a passagem da areia na ampulheta se amplia e derrama o tempo com mais velocidade; se o final do século nos coloca questões novas, confundindo a ordem dos acontecimentos; se já não há espaços para vanguardas artísticas, há ainda a possibilidade real (e é preciso trabalhar por isso) de pensarmos além das tecnologias.
Obras que mexem ou alteram a rotina, mesmo que minimamente, acabam tendo o caráter do corte (ou arranhão!) e da imprevisibilidade, importante para "cutucar" os processos que se querem definidos por serem pré-determinados.

Ocupar um espaço que é destinado para o chamamento ao consumo, com um trabalho gerado por uma concepção puramente estética, tem um valor particularmente importante nesse momento, em uma metrópole como São Paulo. Falar com o corpo se transvalora numa condição de "matéria humana". O pensador e teatrólogo Antonin Artaud (1896-1948)"montou" um corpo sem órgãos, integral: o estômago ligado ao sistema nervoso; o fígado filtrando o pensamento. No out-door de Reinert, o corpo, mesmo com outro caráter, tem uma unidade que se estabelece na união cênica, na composição de uma possível paisagem que se forma. Um olhar único entre a frieza de carros, prédios e fumaças.








REVÉS DO AVESSO JULHO -1997

sábado, 2 de abril de 2011

morro da capela de são francisco em tiradentes e seu poema de todo final das tardes de sábado




(sugestão: clique no link abaixo para acompanhar esta postagem com música) http://dc111.4shared.com/img/89521375/b85ba5b4/dlink__2Fdownload_2FtgAcQsBP_3Ftsid_3D20110402-213650-ea557dc9/preview.mp3 Morro da Capela de São Francisco da cidade de Tiradentes ao por do sol com a música de Mozart, de Chopin... ecoando. Pessoas chegando e outras já sentadas na grama: em silêncio e encantadas. Como criador do cenário, um maestro sem a batuta, que alinhava e envolve a todos com esses elementos. Ele é o sr. Mário, Mário Del Soldato, um pediatra aposentado de 84 anos que, junto com a sua mulher, Dona Kika, compartilham com todos que ali chegam, o amor pela música clássica em todos os sábados por aquele horário em que a tarde começa a cair. Eu por ali cheguei e o fotografei, envolto pela poesia.


fotos de gê césar de paula

Para ver
Tiradentes Musical 1 e 2:
http://www.youtube.com/watch?v=M4D6qZ_KT3k
http://www.youtube.com/watch?gl=UG&feature=related&hl=en-GB&v=rgg7LFs-R4I

Abaixo o link de uma reportagem:
http://g1.globo.com/bomdiabrasil/0,,MUL753175-16020,00-CASO+DE+AMOR+UNE+HISTORIA+E+MUSICA+CLASSICA+EM+MINAS+GERAIS.html