domingo, 30 de dezembro de 2012

bom ser simples como um poema de william carlos williams


 
Ao trepar sobre
o tampo do
armário de conservas
o gato pôs
cuidadosamente
primeiro a pata

direita da frente

depois a de trás
dentro

do vaso

de flores
vazio

 
¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
tanta coisa depende
de um

carrinho de mão
vermelho

esmaltado de água de
chuva

ao lado das galinhas
brancas

 
A DURAÇÃO
Uma folha amarfanhada
de papel pardo mais
ou menos do tamanho

e volume aparente
de um homem ia
devagar rua abaixo

arrastada aos trancos
e barrancos pelo
vento quando

veio um carro e Ihe
passou por cima
deixando-a aplastada

no chão. Mas diferente
de um homem ela se ergueu
de novo e lá se foi

com o vento aos trancos
e barrancos para ser
o mesmo que era antes.

 
(traduções de José Paulo Paes)
 
PRELÚDIO AO INVERNO
A mariposa sob as goteiras
com asas como
a casca de um tronco, estende-se

e o amor é uma curiosa
coisa suavemente alada
imóvel sob as goteiras.

(tradução: José Lino Grünewald)

(*)William Carlos Williams também conhecido como WCW, foi um poeta estadunidense além de médico pediatra

sábado, 8 de dezembro de 2012

"entre rios" - a urbanização de São Paulo

Neste ótimo documentário de Caio Silva Ferraz, São Paulo é revelada a partir dos seus rios e, sobretudo, pela trajédia das intevenções humanas realizadas por administradores que, na busca de modelos externos, não enxergaram e não entenderam a espacialidade da cidade e as suas características físicas. Nos discursos pela modernização, o automóvel era a palavra chave, e foi através dele que se desenvolveu a construção histórica da cidade. A questão da mobilidade em São Paulo hoje, é o drama revelado, numa cidade em que os seus rios, mesmo encarcerados, não se calam.